O momento é de reconstrução

Publicada em Quinta-Feira, 09 de Maio de 2024.

Hoje é 09 de maio e podemos dizer que estamos aos poucos voltando a normalidade. Mas o que foi vivenciado por algumas famílias ficará na história. Somente quem passa pela situação de perder algo sabe o que é. Teve algumas famílias aqui no município de Alto Alegre, como também algumas regiões do RS que foram muito afetadas. A situação ainda é de alerta, por mais que o sol brilhe nesses últimos dias.
Como todos sabem e vivenciaram, as chuvas que aconteceram se intensificaram a partir de terça-feira, 30 de abril, ocasionando muitos estragos. Ocorreram alagamentos, pontes sem acesso, estradas interrompidas, devido a chegada da água dos rios Bútia e Jacuí. O interior foi o mais atingido, e o acesso à cidade também, pela ponte que ficou interditada, esta que liga Alto Alegre à Espumoso e o acesso da estrada entre Alto Alegre e Selbach.
A Administração Municipal, as equipes das duas Secretárias de Obras tanto do interior, quanto urbana, a Defesa Civil e Secretaria da Assistência Social, trabalharam de forma incansável para auxiliar a todos que precisaram. Intensificaram os trabalho, para ajudar as famílias ribeirinhas e toda a comunidade de Alto Alegre.
A família de Albino Schumattz, que reside na Linha Pagnussat foi uma das atingidas pela cheia. Segundo Albino o nível da água do rio que passa perto de sua residência subiu muito, algo nunca antes presenciado por ele. Outra família atingida, foi a de Rogério Gatto e Luiz Gatto da Comunidade de São José. Segundo eles as águas do rio chegaram até a metade da parede do galpão. "Eu tenho mais que 70 anos e nunca tinha visto a água tão alta do rio quanto eu vi agora. E agradece toda a ajuda recebida dos amigos e do munícipio neste momento", declara Luiz Gatto.
Segundo o Jolvani Morgan, Coordenador da Defesa Civil de Alto Alegre fala sobre o número de famílias atingidas no município. Segundo ele foram contabilizadas em torno de 7 famílias que necessitaram ser removidas de suas casas, sendo três delas invadidas pela inundação, atingindo as localidades de Costa do Jacuí, São José, Costa do Alague e Linha Christ.
"No total 20 pessoas ficaram desalojadas, estas em casas de parentes, e ainda se encontram 6 pessoas nessa situação. A Administração Municipal disponibilizou abrigos, mas não foram utilizados. Também desde o primeiro momento empenharam-se para desobstruir as estradas e para ajudar as pessoas nas retiradas de seus pertences de suas casas. Além disso, muitos voluntários também colaboraram com esse trabalho e da realocação de animais das propriedades. Salientamos que todo o município foi acometido pela enxurrada e que muitas lavouras sofreram com a erosão causada por ela, mas não tivemos nenhuma família isolada que necessitasse de resgate", esclarece Jolvani.
Jolvani destaca também que os coordenadores da Defesa Civil estadual sempre apoiaram o município disponibilizando pessoal e materiais para atender as necessidades do município. "As informações da situação de nosso município já foram encaminhadas para reconhecimento federal, em busca de recursos para dirimir os danos causados, e estamos no aguardo do reconhecimento e o pronunciamento da Defesa Civil Estadual para solicitar estes recursos. A Administração Municipal e Defesa Civil se coloca à disposição para quaisquer dúvidas e solicitações da comunidade altoalegrense", ressalta o Coordenador da Defesa Civil de Alto Alegre.
O Prefeito Avelino Salvadori assinou o decreto de "Situação de Emergência", algumas reuniões internas, entre o Executivo e o Legislativo, também foram realizadas para juntos verificar a melhor solução para as famílias atingidas. "Também agradecemos a disponibilidade e a empatia de todos que se envolveram nesse processo. Alto Alegre, um município melhor é a gente que faz. Obrigado a cada um"!
O Vice-prefeito, Dilmar Loro salienta que o Município está buscando fazer o melhor pelos atingidos da cheia e comunidade altoalegrense.

« Voltar